FOTOTERAPIA TÂNTRICA

A fototerapia é um conceito relativamente novo dentro do universo da arte-terapia, cujos objetivos são menos estéticos e artísticos e mais subjetivos. Através da fotografia, o modelo tem a oportunidade de perceber-se através do olhar do outro – no caso do fotógrafo – que o observa com atenção e registra seu momento em imagem. Assim, pode conscientemente incorporar diferentes personagens sendo ele mesmo. É terapêutico, pois ao se deixar conduzir por este olhar diferente, vivencia em si mesmo estes arquétipos que carregam consigo símbolos inerentes à natureza das manifestações, experimentando assim uma nova percepção de si. Desta forma, reconhece uma beleza estética que foge de suas inibições e faz o modelo descobrir diferentes possibilidades expressivas de seu ser.

Ser observado é o desejo primordial da alma. Quando somos observados, assumimos uma nova postura, uma nova emoção, uma nova maneira de ser. Esta novidade é sobremodo terapêutica, pois nos conscientizamos de nossas sensações e sentimentos ao nos colocarmos no papel daquele que se expõe ao olhar do observador, que não é único, visto que o registro fotográfico o transforma em qualquer observador que posteriormente venha a ver a foto. Essa tomada de consciência é o que promove transformações e curas. O outro é o portal de acesso a nós mesmos, um espelho para contemplarmos nossa alma.

Por força da repressão e da respeitabilidade, evitamos a naturalidade de sermos quem somos de verdade, em favor da aceitação social. Vivemos, agimos e reagimos uns com os outros, e sob quaisquer circunstâncias, existimos a sós, sendo a solidão nossa natureza mais essencial (mesmo quando acompanhados) e a busca pela transcendência deste presídio (de corpo e mente) é a busca transcendental de todos nós (sejamos bem sucedidos ou não), é a Unidade e a comunhão que demandamos. Quando nos deixamos fotografar na expressão de nossa espontaneidade e intimidade, transcendemos estes recalques sociais. Ver-nos como os outros nos veem é uma experiência muito confortadora, uma grata Dádiva, da mesma maneira como quando observarmos o outro tal como ele mesmo se vê.

Assim, conceituamos uma experiência de ordem terapêutica e Tântrica que tem no nu e no erótico um viés de desinibição e autodescoberta. Exibicionismo e voyeurismo servem aqui como vias de acesso a um estado expandido de consciência.

Na solidão de nossa intimidade somos seres muito diferentes da máscara social que exibimos no mundo. Isto é obvio e indiscutível. Exemplifico de maneira clara: Quais são as diferenças emocionais e corpóreas que experimentamos quando sabemo-nos observados, por exemplo, enquanto nos masturbamos, enquanto fazemos amor? Obviamente, quando somos observados assumimos um estado corporal e de consciência bem diferenciado, e esta qualidade interna é extraordinariamente propicia à investigação íntima e à aplicação das diferentes técnicas transcendentes do Tantra.

Assim, consideramos e compreendemos que Tantra é arte, e que fotografia é transcendência, e ambas são profundamente terapêuticas. Mas para que verdadeiramente esta experiência se faça completa e alcance seus objetivos, elaboramos uma série de dinâmicas que possibilitem uma aplicação inteligente dos recursos do Tantra e da fotografia.

Organizamos um Mandala de arquétipos específicos que colocam o(s) individuo(s) em contato com o universo íntimo da fantasia, do fetiche e principalmente com as qualidades subjetivas dos arquétipos e das deidades Tântricas.

Compreendemos que somos um panteão de forças, energias e inteligências, que, na maioria das pessoas, permanece um mistério adormecido no inconsciente e na inibição ao longo da vida. Nosso objetivo é justamente transcender estas limitações e facilitar uma experiência de autoconhecimento assistido, criando-se um espaço de liberdade e investigação.

O Sahaja Tantra Studio não é um lugar especifico e determinado; o Studio, assim como a alma, é dinâmico, itinerante, ocupa espaços, promove encontros. O cenário pode ser o quarto, o banheiro, a sala de estar, o jardim, a varanda, o motel, enfim, os espaços de convívio e de intimidade. Primamos por ambientes repletos de natureza e beleza (mas não nos limitamos a esta regra), servimo-nos da luz natural, do espontâneo dos corpos e sentimentos, da meditação e da música.

Não somos fotógrafos profissionais e o produto final não é a foto, ainda que esta possa resultar como surpreendente e elucidativa expressão do ser.  Demandamos os frutos da experiência por ela mesma, na sua exaltação de simplicidade, beleza natural e espontaneidade, pois o Sahaja (despertar espontâneo) é a escola filosófica a quem estamos consagrados por devoção e gratidão!

Os ensaios acontecem em diferentes propostas, seja como Iniciação aberta e coletiva ou na intimidade do modelo ou casal. Para a concepção das fotos, os interessado podem compor o cenário com objetos que lhes sejam significativos e/ou tenham um sentido de conexão com o sagrado ou com o erótico em sua experiência pessoal (velas, tecidos, espelhos, livros, instrumentos musicais ou xamãnicos, estátuas ou imagens etc.).

O ensaio passa por seleção e tratamento artístico e é entregue em CD ou DVD. Você encontrará aqui algumas fotos dos ensaios que contam com a permissão dos fotografados para esse fim.

 

Conheça a Fototerapia Tântrica

Escola filosófica de Estudo e Terapias Tantra
Valid XHTML 1.0 Transitional
Desenvolvimento de Websites!